sexta-feira, 10 de junho de 2011

Com Grandes Ideias, Vêm Grandes Oportunidades

Por Gabriel Guimarães




O pequeno "Puny Parker"
saindo de dentro da cabeça
do seu criador
Há uma semana exatamente, o público leitor de quadrinhos recebeu triste, porém, satisfeito, a notícia de que a série de tirinhas do quadrinista mineiro Vitor Cafaggi protagonizada por uma versão infantil de Peter Parker, o Homem-Aranha, chegou ao fim. Iniciada em agosto de 2008, a tirinha "Puny Parker" narrou as desventuras do Cabeça de Teia muito tempo antes de este conseguir seus poderes que lhe deram tanta fama, num traço simples e sensível que lembra bastante os trabalhos de Bill Waterson, criador dos personagens Calvin e Haroldo, e Charles Schultz, criador do Charlie Brown.
Tendo como destaque o ínicio da vida amorosa de Peter, seu relacionamento com seus tios e a sua dificuldade de se relacionar com as outras crianças do colégio, "Puny Parker" rapidamente entrou na lista de tiras favoritas entre os leitores de quadrinhos. E não foi pra menos. Ao longo desses 3 anos de existência do blog oficial, foram 140 tirinhas que se disseminaram pela internet de forma ágil e fácil, através das ferramentas cada vez mais comuns de compartilhamento nas redes sociais.

A proposta de Vitor começou ainda no Orkut, mas foi ganhando tanta atenção que culminou na criação de um blog específico para o personagem, e, assim, o trabalho desse artista mineiro foi ganhando cada vez mais destaque. Ao apresentar todas as tiras que produzia em português e em inglês, expandiu seu público leitor de forma impressionante, atraindo muitas pessoas para conhecer o seu trabalho, e para conseguir manter todo esse público que chegava ávido ao seu blog a partir das indicações, Vitor usou de uma sensibilidade ímpar, reforçando uma certa nostalgia a esse período da infância, o que deu um efeito ainda mais especial para os leitores de suas histórinhas que tiveram o hábito de acompanhar séries de quadrinhos quando menores. Tamanha dedicação não tinha como dar errado, e assim o pequeno Parker começou a entrar na mente e nos corações dos leitores tanto quanto o grande Homem-Aranha fizera quando ainda éramos crianças.
Auto retrato de Vitor Cafaggi ao lado de seu personagem
Enquanto o Homem-Aranha original nos fazia ficar apaixonados pelas aventuras que poderiam ser vividas quando um dia nos tornássemos adultos, o jovem "Puny Parker" segue no caminho oposto, nos saudando com as memórias da pureza da juventude e da beleza da simplicidade, que hoje já não se mostram tão fáceis de recordar assim. Com o mundo cada vez mais rápido, precisamos dessas âncoras para nos prender ao cerne de nossos sonhos, à origem de nossas esperanças e força de vontade; e esse trabalho de Vitor com certeza atingiu esse patamar.


Chico Bento observando a vida de
cima do pé de goiaba do Nhô Lau

Portanto, não foi algo inesperado quando o reconhecimento para esse grande quadrinista brasileiro começou a crescer, chegando ao convite para colaborar com a série que homenageava os 50 anos de carreira do patrono dos quadrinhos nacionais, Maurício de Sousa, no primeiro volume do MSP50. E Vitor, mais uma vez, não deixou passar a oportunidade e nos presenteou com uma bela história do Chico Bento, novamente nos remetendo às emoções da infância, com as quais ele consegue trabalhar tão bem. Ano passado, colaborou também com o álbum "Pequenos Heróis", lançado pela editora Devir, onde narrava uma história protagonizada por uma versão infantil do Flash na vida real, onde os poderes são apenas aqueles dados pela imaginação e empenho.


O jovem Wally West (Flash) desenhado por
Vitor para o álbum "Pequenos Heróis"

A contribuição de Vitor para os quadrinhos nacionais é algo admirável e acredito que passaremos a ouvir falar dele cada vez mais frequentemente. Ontem, ele foi tema de matéria no site Supernovo, que vale a pena ser conferida para que se possa compreender ainda mais o significado da sua criação para os leitores de quadrinhos. 

Ano passado, ele e a irmã, Luciana Cafaggi (outra bela profissional de quadrinhos sobre a qual pretendo falar em matéria posterior aqui no blog, e cujo site artístico pessoal pode ser visto aqui), estiveram na Rio Comicon (cuja cobertura completa pode ser vista aqui), mas infelizmente não consegui falar com ele para poder lhe dizer o quanto suas tirinhas são importantes para os quadrinhos no Brasil hoje, mas espero que ele saiba disso. Esse ano, caso ele venha para a segunda edição da Rio Comicon, que ainda está para ser confirmada, espero sinceramente reverter isso e poder conhecê-lo pessoalmente.

Para os interessados no trabalho de Vitor, ele disponibilizou no seu blog todas as tirinhas do "Puny Parker" para serem baixadas, além de diversas wallpapers e trabalhos artísticos que apenas fazem crescer suas qualidades profissionais, tudo de graça. Eu garanto que, quem começar a ler as histórias lá, não vai conseguir parar até terminar.

4 comentários:

Mutante X disse...

Só pra complementar, é do Vítor também a capa da revista Mundo dos Super-Heróis 27, que traz um dossiê da carreira de Mauricio de Sousa. Se você não viu ainda, está perdendo...

GG disse...

Valeu mesmo pela contribuição pra matéria, Mutante X!
Eu até tinha visto a capa da nova edição do Mundo na ótima postagem que você fez no seu blog, mas admito sinceramente que não tinha reparado que tinha sido obra do Vitor Cafaggi... Não é à toa que está tão bem desenhada assim. =)

Daniel Násser disse...

Profissionais como ele só trabalham com o coração... É preciso ter muita fé em Deus e acreditar que vai dar certo... Se não acreditar, nem deve tentar...

GG disse...

Com certeza. O Vitor é um dos casos claros de quem nasceu pra aproveitar esse dom, e se Deus quiser, sempre terá muito sucesso e conquistará cada vez mais o seu espaço. Essa matéria, além de uma homenagem à sua criação do "Puny Parker", é uma homenagem ao grande profissional que ele é também e o quanto desejo que ele cresça, tanto profissional como pessoalmente.