segunda-feira, 24 de outubro de 2011

RIO COMICON, BABY!!! - ANO 2 - EPÍLOGO

Por Gabriel Guimarães



E mais uma edição da Rio Comicon chega ao fim. Tal qual toda boa obra em quadrinhos, o evento foi marcado por experiências intensas, que prenderam emocionalmente todos os que estiveram presentes e, com certeza, proporcionaram momentos que jamais sairão das lembranças dessas pessoas.

Contando com a presença de convidados ilustres tanto do âmbito nacional quanto global, o fluxo de comunicação com os grandes responsáveis por muitas das histórias que compõem nossos imaginários foi incrível, com uma disponibilidade imensa por parte dos profissionais e um interesse sincero dos visitantes. Para quem estava começando ou tinha desejo de entrar nesse mundo também de forma formal, o evento, através da área ocupada pela gráfica J. Sholna, ofereceu a oportunidade de distribuir na Estação Leopoldina o material independente produzido pelos aspirantes ainda a quadrinistas, e a procura por esses serviços foi enorme, ainda que muitos contatos tenham sido mais a longo prazo.


Valentina, em desenho do
italiano Guido Crepax

O material exposto nas homenagens, tanto do eterno pioneiro Will Eisner, quanto da sedutora Valentina, e da vitoriosa história de 75 anos da editora DC comics e a tradição de histórias emocionantes e inesquecíveis do grupo de mangakás japonesas CLAMP, foi primoroso. Para todos os gostos, houve opção. Até para os quadrinhos underground, que não tiveram propriamente uma exposição, o evento contou com a participação do artista Peter Kuper, que deu uma aula da história desse gênero de quadrinhos, e que respondeu com atenção a todos os que foram conversar com ele. Contando com tanto conteúdo, é uma pena, no final das contas, que muitos dos jovens visitantes em potencial do evento não puderam ir por causa do Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, que estava sendo realizado durante todo o fim de semana.


Arte do argentino Liniers usada
na divulgação da Rio Comicon 2011

Numa análise geral do evento, tudo ocorreu de forma similar à edição do ano passado, o que tem seus prós e seus contras, mas que, em suma, foi algo muito especial. Apesar de a divulgação ter sido um pouco defasada, por conta de problemas de locação e outras questões menores, e o preço do ingresso ter estado consideravelmente mais caro, a quantidade de oficinas disponibilizadas e a estrutura onde elas são administradas cresceu muito, e a quantidade de convidados foi impressionante.

A cultura dos quadrinhos esteve muito bem representada, e tem tudo para crescer cada vez mais, conforme o reconhecimento devido for sendo conquistado, uma luta de cada vez.


Ano que vem tem mais, e com certeza, teremos novas oportunidades para afirmar que:

É RIO COMICON, BABY!!!

3 comentários:

Júnior Nasc disse...

Estive presente nesse evento.Foi super D+!

Igor disse...

Perfeita a imagem no final da matéria ! É ótimo ver um evento desse porte, que mesmo com seus defeitos, conseguiu reunir esta pluralidade de artistas em um lugar só ! ótima cobertura !
ano que vem com certeza estaremos lá !

GG disse...

O evento foi bastante especial, e quem pôde conferir, sem dúvida, saiu bastante satisfeito. Ano que vem tem mais!