quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Bienal: Seven

Por Gabriel Guimarães
 
 
Conforme foi destacado anteriormente, a 16ª edição da Bienal do Livro tem aberto um espaço interessante para o papel do setor digital enquanto ferramenta para complementar o mercado editorial tradicional. Com estandes dedicados a alguns fornecedores dos leitores digitais, que servem de plataforma para os arquivos que compõem as obras literárias, a Bienal tem proporcionado a muitos de seus visitantes o primeiro contato com os dispositivos lançados por empresas como o Kobo, da livraria Cultura, além do Kindle, da já mencionada Amazon. Estandes como o da Saraiva Editora, por exemplo, ainda expõem para os leitores suas obras de catálogo virtual, a fim de estar a par da nova realidade de mercado que tem se construído.
 
Estátua do lutador Sagat, da série "Street
Fighter", que esteve diante do estande da Seven
Com a chuva que tomou grande parte do dia no Rio de Janeiro, os três Pavilhões do Rio Centro tiveram uma considerável queda na sua quantidade de visitantes, além do fato de que os que estiveram presentes terem tido que permanecer dentro das instalações cobertas, impossibilitando-os, assim, de sentar-se na grama para descansar e desfrutar das suas recentes aquisições, como se tornou praxe nos demais dias do evento. Em contrapartida, o público teve a oportunidade de conferir as novidades que alguns estandes trouxeram ao longo da Bienal, como é o caso da Seven, empresa brasileira desenvolvedora de games e animações, que tem marcado presença continuamente nos eventos relacionados à arte sequencial, particularmente. Visando expandir sua identificação por parte do público, ela aproveitou seu estande para expor alguns jogos recentes e apresentar seu projeto para aqueles que tivessem interesse em participar do mercado de jogos eletrônicos. A fim de atrair o olhar dos visitantes, vale destacar as duas estátuas referentes ao universo dos games "Street Fighter" que foram postas na frente do estande da Seven, junto dos quais muitos fãs aproveitaram para tirar fotos.


Outra editora a aproveitar o público foi a Martins Fontes, que dispõe de dois estandes, um no Pavilhão Verde ( onde o único quadrinho disponível é a versão adaptada da obra "O Hobbit", do britânico J.R.R. Tolkien) e outro no Laranja (que já possui um acervo bastante interessante, compreendendo desde os clássicos volumes da "Mafalda", de Quino, até as duas edições do "Eternauta", da dupla Hector Oesterheld e Francisco Solano López - este último cujo trabalho já foi comentado aqui no blog).

Torçamos, então, para que o clima se estabilize e permita que o evento possa ser aproveitado ao seu máximo nos dias a seguir. Continuem acompanhando-nos aqui para mais notícias!

Um comentário:

Kleiton Gonçalves disse...

Olá. Conheci seu blog pelo Google e gostei bastante. Excelente essa cobertura que fez da Bienal. Como eu queria ter ido!

Mas não encontrei, aqui, a opção de "Seguir blog".

Abraços,
Kleiton
http://kleitongoncalves.blogspot.com.br/