sexta-feira, 1 de março de 2013

Entrevista: Mônica Spada e Sousa

Por Gabriel Guimarães


Talvez seu nome completo não seja tão familiar aos leitores comuns de histórias em quadrinhos, porém, o papel que esta grande profissional desempenhou na história dos quadrinhos é inquestionável e universal. Um ano antes de nascer, seu pai trabalhava num jornal como repórter do caderno policial, mas sempre mantinha vivo o desejo de se tornar um desenhista de grande sucesso dentro do Brasil. Com o tempo e muito trabalho árduo, as oportunidades surgiram e finalmente sua primeira história foi publicada, na edição do dia 18 de julho de 1959 do jornal "A Folha da Manhã". Estava iniciada a carreira do maior quadrinista brasileiro, Maurício de Sousa. Quatro anos depois, com o crescente sucesso de seus personagens, geralmente inspirados em amigos de infância que tivera no decorrer da vida, o desenhista resolveu homenagear uma de suas filhas, batizando uma personagem com o nome desta. E foi assim que, aos 3 anos de idade, a Mônica viu sua versão cartunesca ganhar as tiras de quadrinhos publicadas ao redor do país. Com o passar dos anos, a personagem ganhou cada vez mais importância, sendo protagonista de uma revista própria a partir de 1970, porém, muitos esquecem da pessoa que inspirou-a em seu momento primordial.


Mônica, Maurício e as duas versões do
Sansão verdadeiro

Mônica Spada e Sousa usava de fato vestidinhos vermelhos quando era pequena, além de carregar seu coelhinho Sansão para todos os lados. Originalmente amarelo, a cor que caracterizou a versão quadrinizada deste elemento tão fundamental da infância da filha de Maurício foi mudada, de fato, apenas tempos depois de sua criação, a partir de um presente dado pela apresentadora de televisão Hebe Camargo, que ofereceu um novo mascote azulado à pequena Mônica, com a condição de que este não fosse utilizado para bater nos amiguinhos. O tempo continuou passando e, diferente do que acontece dentro das margens das páginas de quadrinhos, a pessoa Mônica cresceu, virou adolescente, entrou para a faculdade e iniciou sua própria jornada de grande empenho para construir uma carreira sólida e inquestionável. Hoje diretora do setor comercial do estúdio presidido pelo pai, o MSP, a Mônica que foi fonte de grande inspiração durante sua infância permanece uma pessoa incrível e uma profissional exemplar, que, muito atenciosamente, nos deu a grande oportunidade de entrevista-la para conhecer um pouco mais da pessoa por trás da figura mundialmente reconhecida de sua versão infantil.

QUADRINHOS PRA QUEM GOSTA - Como é que foi para você ver a personagem que levava seu nome ganhar tanto destaque no Brasil e no resto do mundo?

Mônica Spada e Sousa - Quando eu era criança, meu pai trabalhava na prancheta de casa, junto com algumas pessoas que já o ajudavam. Eu e minhas irmãs sempre víamos ele desenhando a Mônica, o Cebolinha, o Cascão, entre muitos outros, que era ele mesmo quem fazia todo o processo de criação na época e, para nós, parecia tudo muito normal. Aqueles personagens eram nossos amiguinhos de infância de verdade. Então, quando meu pai foi convidado para ir no programa da Hebe Camargo, ele me levou junto. Eu tinha cinco anos e foi ali que eu percebi que a Mônica era, realmente, eu (risos). Eu gostei muito dessa época, mas não entendia ainda a importância disso por conta de ser tão nova. Pouco depois desse dia, porém, quando eu comecei a frequentar a escola e meu pai passou a aparecer lá, como ele também fazia com as escolas das minhas irmãs, e as pessoas reconheciam ele, eu comecei a entender a importância que a personagem Mônica e o que meu pai estava fazendo, de fato, tinham.

Você se lembra da época em que a personagem Mônica surgiu?

A personagem apareceu em uma tirinha do Cebolinha em 1963, então, eu ainda tinha dois para três anos, portanto, sinceramente, não lembro (risos).

Atualmente, você ocupa um cargo de grande destaque dentro do estúdio MSP. Como é o seu trabalho, exatamente?

Eu sou diretora comerical daqui. Entrei como vendedora da lojinha da Mônica na década de 1980, depois fui crescendo e fui para a área de gerenciamento de produtos. Com 40 anos, me tornei diretora do departamento comercial, que é o responsável pelo licenciamento de todos os produtos da "Turma da Mônica". O departamento comercial realiza toda a procura por produtos que possam ser interessantes de lançar com a presença da marca "Mônica", logo, eu tenho uma equipe grande de funcionários que trabalham comigo, que é composta de funcionários que vão desde o marketing comercial até o setor jurídico, que cuida dos contratos que fazemos com as firmas que se tornam nossas parceira, passando pelos designers que criam as embalagens e caixas para os materiais.

Ao longo dessa sua carreira no setor comercial, você sentiu que havia alguma diferença de tratamento quando percebiam que você era "A" Mônica?

Muito. Houve reuniões em que eu estive onde as pessoas não conseguiam falar comigo (risos). Quando elas chegam para mim e dizem que não conseguem falar comigo porque eu sou a Mônica, eu acho muito engraçadinho (risos). Eu me divirto bastante com isso (risos).

 
Continua acontecendo muito disso até hoje?

Já aconteceu várias vezes. Às vezes, as pessoas ficam um pouco quietas, em silêncio, no começo, os olhinhos ficam brilhando, como se estivessem vendo alguma coisa mágica de verdade (risos). Aí, depois, vão acostumando. Mas teve um em especial, há pouco tempo, de um rapaz que trabalha conosco na construção da lojinha da "Turma da Mônica" na internet, que se chama Bruno. Ele não conseguia falar comigo. Foi a pessoa mais interessante que eu já conheci, porque depois de um tempo, me disse que o sonho dele era conhecer o Didi, o Paul McCartney e eu (risos). Fiquei realmente me sentindo privilegiada por ser parte da elite dele (risos).

Você teve alguma influência no conteúdo da Turma da Mônica Jovem?

Na Jovem, não. É a juventude de hoje. A minha juventude foi diferente. Só tive um papel maior na Mônica clássica mesmo.

O que você achou do casamento entre a Mônica Jovem e o Cebola?

Eu adorei a história. Achei que foi legal porque foi praticamente uma viagem no tempo. Eu acho que o destino da Mônica e do Cebolinha era o casamento mesmo. Até porque eles sempre se provocavam e, quando há tantas brigas assim é porque há algum sentimento mais forte por trás. Não sei como é que vai ficar depois de tanta coelhada isso (risos), mas, por enquanto o casamento é legal por realmente sentir que é algo do destino deles.

Quais as características da personagem Mônica que você reconhece em si mesma até hoje?

O gênio (risos). Não levo desaforo para casa, brigo pelo que quero. Eu também sou fisicamente baixinha, sou meio gordinha (risos). Sou muito ligada aos meus amigos também, ajudando-os sempre como posso. A Magali (a irmã, que também originou a personagem homônima) é minha melhor amiga. Acredito que sejam nesses aspectos que ainda sou muito parecida com a Mônica dos quadrinhos.

Um comentário:

Maria Joelma Dias disse...

Amei. Cresci com a turma da Mônica e gostei de saber mais sobre ela. Fiquei com gosto de quero mais. . . .